Blog Top Society - Karla Cruz

Plotagem - Exposição Pedagógica

18/09/2021    Gustavo Siqueira

img/topsocie_blog/6927_post_13189.jpg
Este pavilhão de exposições, criado por Juarez Machado no contexto deste espaço que leva o seu nome, tem o intuito de mostrar ao público as obras nos diferentes estilos, períodos e fases do internacional artista. São apresentadas mostras de longa ou curta duração, concebidas pelo próprio pintor e/ou por meio do nosso conselho curatorial.

Por ocasião das celebrações dos 80 anos de vida do Juarez Machado - nascido em Joinville, SC em 16 de março de 1941 - a diretoria do Instituto resolve homenageá-lo com nova proposta expositiva e pedagógica. Convidamos a mediadora desta instituição cultural, Andri Silveira, para elaborar experimentalmente o projeto da curadoria e expografia desta mostra comemorativa temporária. Aprofundou suas pesquisas iconográficas, garimpou o acervo museológico da reserva técnica, e trouxe à pauta - com a colaboração de sua colega de mediação Nicole Leite - as experiências didáticas aplicadas no Setor Educativo do qual ambas integram nesta casa, em busca dos resultados.

A compreensão do conjunto das telas e desenhos expostos aqui passa pelo título que a dupla sugeriu: J'aime le drame, mais pas la tragédie.Essa frase foi enunciada por Juarez Machado às margens do Mar Mediterrâneo, aos habitantes de uma pequena comuna francesa na Região de Provence-Alpes-Côte d'Azur, a pitoresca localidade de Carcès no ano de 1992.

Em livre tradução - "gosto do drama, mas não da tragédia" - seu pensamento passa a ser a bússola e o conceito desta exposição. Segundo a curadoria, trata-se de um singelo recorte da produção das décadas de 1980/90, trazendo as imagens de vivências do artista pelo Brasil, França e Estados Unidos.

É nesse período que se consolida uma das mais expressivas facetas do criador Juarez Machado, o discurso da dramaturgia em sua obra pictórica. Essa característica se faz presente em diversos momentos de sua trajetória, cujo percurso, embora não linear, está expresso nas obras aqui expostas: a série das paisagens produzidas em Saint Paul de Vence, ao Sul da França, onde o artista morou com sua família, e as impressionantes pinturas sobre o controvertido universo circense, por exemplo.

O projeto curatorial ainda revela desenhos que nunca foram expostos por aqui, resgatados do início de sua carreira profissional e estudos na Escola de Belas Artes do Paraná ,na gelada Curitiba e produzidos com materiais de baixo custo como graxa de sapatos sobre papel. Contempla também a tela intitulada "Novembrada ou Batalha do Calçadão" , inspirada no texto do escritor ilhéu Raul Caldas Filho, que registra um dos mais conturbados movimentos políticos de nosso país, sobretudo com reflexos, à época, para a população da Ilha de Santa Catarina.

Há que se destacar outra série - a do universo feminino - que traduz toda sua admiração à mulher universal e a vocação à dramaturgia. Certa vez disse Juarez: " Essas mulheres poderiam chamar-se Fortuna, Inteligência e Surpresa, mas também às vezes Culpa, Dúvida e Morte, fantasmas comuns a cada um de nós". Embora constituída de obras de décadas passadas, a exposição ora apresentada no Instituto dialoga com a temática proposta pela 34ª Bienal Internacional de São Paulo ,simultaneamente em vigência e inspirada no verso do poeta Thiago de Mello " faz escuro, mas eu canto", e evoca um tema da atualidade, ou seja, nosso drama coletivo diante das inconsequências em todo o mundo.

Juarez Machado, de Paris, saúda você, visitante de sua obra em Joinville.
Compartilhe nas redes sociais: