Blog Top Society - Karla Cruz

Medo de que?

11/06/2018    Karla Cruz

img/topsocie_blog/1452_post_250.jpg
Dica da Psicóloga Juliana Panizza Costa Luiz
Do que você tem medo? Medo é uma reação natural e necessária à sobrevivência do ser humano. Mas em alguns casos, alguns indivíduos podem apresentar um medo exagerado sobre determinado objeto, ou seja, algo específico, caracterizando a fobia específica, ou fobia simples. 
 
As pessoas que estão perante o foco da sua fobia apresentam reações muito fortes que podem variar da paralização total, ou causando até uma reação exagerada, fugindo ou gritando.  A diferença entre um medo natural para um medo patológico é a sua reação frente ao objeto temido. 

O sujeito fóbico procura sempre evitar entrar em contato com aquilo que provoca sua fobia. Esta é a característica mais comum. O sujeito procura, de todas as formas possíveis e impossíveis, fugir da situação de desconforto. É claro que, em alguns casos fugir não é uma opção, e a pessoa se vê obrigada a enfrentar seu medo. Neste caso, acaba apresentando desconfortos tanto emocionais quanto físicos.Por exemplo: desespero, angústia, tremores, sudorese, palpitações, falta de ar, choro, grito, desconforto gástrico, cefaleia, e quando o desconforto não for mais suportável: desmaio ou fuga. 

A maioria das pessoas com fobias simples não procuram tratamento. Geralmente devido ao fato de que o medo em questão não faz parte do seu cotidiano.Como o medo de cobras por exemplo, não há necessidade de enfrenta-las com frequência, apenas se quiser dar um passeio pela floresta ou algum mato longe da cidade. Desta forma, o “evitamento” do objeto fóbico não traz limitações e problemas diários ao sujeito, e ele não tem urgência em resolver seu problema. 

No entanto, há muitos objetos fóbicos que fazem parte do nosso cotidiano, e se tornam verdadeiros limitadores de nossa autonomia, nos trazendo não apenas o desconforto do objeto em si, mas também o desconforto de ter que realizar com frequência manobras evitadoras. Nos tornamos verdadeiros prisioneiros do medo. Por exemplo, alguém que tenha medo de dirigir e acaba ficando dependendo de outros meios de transporte ou de caronas para se locomover.

O grande problema é quando a fobia traz problemas de saúde para o sujeito, como o medo de dentista por exemplo, e evita fazer os tratamentos necessários, negligenciando sua saúde.
 
As estatísticas dizem que aproximadamente 10% da população brasileira possui alguma fobia específica. O sexo feminino é de duas a três vezes mais afetado. No que se refere à idade, a maior incidência ocorre entre 18 e 35 anos. 

O tratamento tem como objetivo reduzir a ansiedade e o medo gerados pelo motivo irracional, ilógico e exagerado. Desta forma, há a possibilidade de vencer o medo completamente através da Psicoterapia.

Tenho feito este trabalho na Clínica Oral Sin de Lages. La me deparo com pacientes que desejam muito cuidar da saúde bucal, voltar a sorrir, mas o medo é um grande inimigo. Com o uso de técnicas de dessensibilização, e com a ajuda da Psicoterapia Breve, é possível vencer o medo, recuperar a saúde bucal e a autoestima.
Compartilhe nas redes sociais: